28 motivos para amar Ijuí

Naiara Back 35
Share:

Ijuí foi sinônimo de mudança para muitos povos europeus, asiáticos e africanos. Diante de uma crise territorial, social e financeira pessoas destes continentes fizeram as malas e migraram para uma terra que prometia oportunidades de melhoria de vida para homens e mulheres de várias nacionalidades, culturas e crenças.

Eles acreditaram nesta nova prátia. De 1.890 para cá, os imigrantes passaram por duros desafios, dificuldades de comunicação e entrosamento social. Trabalharam com escassos recursos e muitas vezes com pouca ou nenhuma experiência na atividade da agricultura e pecuária, mas nada disso foi empecilho para transformar a mata virgem numa “Terra de Culturas Diversificadas” e “Colmeia do Trabalho”.

Ijuí tem história, cultura e pessoas descendentes de várias etnias. E tem também muitos motivos que fazem qualquer um morrer de amor por ela. Sabe porquê?

1 – Expoijuí – Exposição-Feira Industrial e Comercial de Ijuí. Por conta da sua extensão de feira cultural de negócios, é considerada uma das maiores feiras  do Rio Grande do Sul. Pela dimensão do Parque de Exposições Wanderley Burmann há uma série de atrações: indústria, comércio, agropecuária, artesanato, produtos coloniais, parque de diversão, 12 casas étnicas que representam os povos que colonizaram Ijuí, palcos de shows… São mais de 10 dias de feira: imperdível!

2 – O Desfile Étnico Cultural das Etnias é uma verdadeira aula a céu aberto de Ijuí. Todos os anos são revividos fatos históricos que influenciaram na formação do município como “Terra das Culturas Diversificadas”.

3 – O Baile de Abertura da Expoijuí é considerado o marco de início das atividades da Expoijuí Fenadi e não só: é um evento que representa, através de lindas e inéditas coreografias os legados deixados pelos imigrantes que colonizaram Ijuí.

4 – Assistir os shows das bandas locais: Excellence Rock, la Preza, Maquinário Sonoro, Decoders, Banana Saturno e tantas outras.

5 – Torcer pelo São Luiz! Fundado em 1.938, é um dos clubes mais antigos do Rio Grande do Sul e um dos únicos representantes da região em competições estaduais. A sua torcida organizada “Fanáticos da Geral” é considerada a maior e mais vibrante das regiões norte e noroeste do estado.

6 – O Festival Nativista Canto de Luz leva o nome de Ijuí aos quatro cantos do Rio Grande do Sul, do Brasil e dos países sul-americanos. Esse é um festival que, através de composições inéditas mantém vivo os costumes e tradições do Rio grande do Sul, um estado tão rico culturalmente que tem na música uma forte expressão cultural.

7 – A música “Pátria Mãe”, escrita por Chico Roloff, ganhou o 3ª lugar e o título de Obra Popular na 1ª edição do Festival Nativista Canto de Luz.

8 – A Fonte Ijuí é um mundo a parte de Ijuí. Não só porque tem um Hotel e Spa para se refugiar, mas pela imensa zona verde com miniparque de golfe, campos de futebol, churrasqueiras, área de camping à beira do rio… É lá também que se encontra uma empresa engarrafadora da água mineral Fonte Ijuí, que é conhecida mundialmente.

9 – O Pioneiro, grande símbolo da cidade. Desenvolvido pelo arquiteto José Carlos Schirmer, esse é um monumento que homenageia os imigrantes que chegaram em Ijuí em 1.890. Esses imigrantes desbravaram matas, abriram caminhos, estabeleceram um comércio e fizeram de Ijuí uma cidade.

aquelesqueviajam_ijui610 – A Semana Farroupilha é um momento especial de culto às tradições gaúchas. Num período determinado do mês de setembro, todos os gaúchos de Ijuí vão para as ruas comemorar a revolução mais longa do Brasil – durou quase 10 anos. Nesse período é absolutamente normal ver pelas ruas mulheres de vestido de prenda e homens de bombacha, lenço, guaiaca e chapéu. Sem contar que os CTG’s da cidade preparam uma programação especial e a Praça da República transforma-se num ponto de encontro de todos os gaúchos.

11 – O Carnaval do Aruba Summer Club.

12 – Tomar tererê ou chimarrão na UNIJUÍ, na Praça da República, na Praça do Imigrante, na frente de casa… em qualquer lugar da cidade.

13 – Tomar um Chopp Ijuhy. Nada como saborear uma cerveja local, não é? Ainda mais se for artesanal tipo Pilsen. O Choop Ijuhy tem teor alcoólico de 5,0% e foi desenvolvido seguindo rigorosamente a Lei de Pureza Alemã, que compõe matérias primas de qualidade e pureza, onde são utilizados água, malte, levedura e lúpulo.

14 – Os balneários que são um abrigo para os dias mais quentes: Balneário do Chico, Balneário Parque das Aves (distrito de Chorão, RS 155 Km 11) e Balneário Rakoski (distrito de Chorão, RS 155 Km 11). #partiubalneario?

aquelesqueviajam_ijui615 – O burburinho dos bares universitários.

16 – Os bailes da terceira idade no Gervi.

17 – O tradicional jantar 12 Povos na Cozinha. Uma verdadeira viagem gastronômica promovida pela União das Etnias de Ijuí (Ueti).

18 – As deliciosas massas caseiras da Manjericão Massas. Carbonara, Ravioli De Frango Cremoso e Tortelloni de Ricota e Nozes fazem as minhas delicias. E as suas?

19 – O Clube Ijuí é mais do que um prédio histórico. Nele foram realizados os mais importantes acontecimentos do município! Teve grande importância na vida cultural, política, econômica, esportiva e principalmente no aspecto social da comunidade.

aquelesqueviajam_ijui220 – O interior de Ijuí tem cenários verdes inspiradores. Para encontrá-los não precisa nada mais do que uma bicicleta e a vontade de pedalar.

21 – A centenária Paróquia da Natividade, no Centro, ao lado da Praça da República com sua rica decoração neogótica cheia de detalhes folhados a ouro.

22 – A Igreja da Cruz, que é conhecida como a Igreja do Relógio, inaugurada em 1.914 e reinaugurada em 2.014.

aquelesqueviajam_ijui523 – A tradicional Festa da Uva na Paróquia São Geraldo. A história da uva no Rio Grande do Sul começou em 1.875, quando chegaram as primeiras famílias imigrantes vindas das províncias do norte da Itália. As mudas de videiras trazidas pelos italianos foram propagadas por todo o estado, ultrapassando as fronteiras gaúchas. A Festa da Uva é uma grande manifestação cultural que revive o período da colonização italiana no sul do Brasil.

24 – O cheiro de Pão com Linguiça que invade o centro da cidade no período do Natal.

25 – O pastel 77 do Bar Metamorfose. E com uma Polar então? Bah!

26 – As Festas Juninas que acontecem no SESC, nas escolas, nas igrejas, nos bairros com todas as suas características divertidas e originais.

27 – O Xis Calota do Kachuka Lanches. Não importa o recheio, o que importa é que esse é um lanche que tem a medida do pão inspirada no tamanho de uma calota de carro: 30cm de diâmetro. O Xis Calota pode ser de carne, frango, bacon, calabresa, filé… e serve duas pessoas adultas tranquilamente, talvez três se a fome não estiver tão grande como a medida do xis.

28 – Domingo no Campus. O campus da UNIJUÍ – Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul é um destino de prache dos ijuienses no final de semana. O espaço é super convidativo para a prática de esporte e lazer. Mas de vez em quando, a Unijuí resolve transformar o cenário do campus com shows de bandas locais e regionais, brinquedos, mateada, feira de economia solidária… um monte de coisas!