fbpx
Dona Petisca: petiscos que são uma viagem gastronômica por Portugal 1

Dona Petisca: petiscos que são uma viagem gastronômica por Portugal

Enquanto muitos restauradores fecharam seus estabelecimentos na rua D. Paio Mendes, em frente à Sé, o seu Moises Carvalho permaneceu, tanto pela paixão em restaurar móveis e objetos antigos, como pela visão empreendedora de que ali, futuramente poderia ser um espaço aproveitado pelas suas filhas. Ainda bem que seu Moises persistiu em dizer não a todas as propostas de venda e aluguéis, caso contrário, Susana poderia não ter tido o insight de criar, juntamente com sua irmã, Cristina, a Dona Petisca, uma tasca moderna que deu um sabor a mais na zona que é hoje a mais boemia de Braga.

semana-santa-de-braga

Semana Santa Braga: a maior e mais imponente de Portugal

A Semana Santa de Braga é a maior e a mais imponente de Portugal. Durante este período, a cidade transforma-se completamente para reviver a Paixão e a Morte de Jesus: os tons de roxo atribuem uma atmosfera dramática pelo Centro Histórico, os altares das igrejas encontram-se decorados com cenas da Paixão e a Morte de Jesus, os farricocos marcam presença em casas e estabelecimentos comerciais e os oito Calvários espalhados pela cidade abrem-se decorados com arbustos e flores.

aquelesqueviajam_braga_secatedraldebraga

50 fatos sobre Braga

A verdade é que Braga já existia antes de os romanos invadirem a Península Ibérica. Habitada pela tribo dos Brácaros quando o imperador César Augusto, em 16 a.C, a rebatizou como Bracara Augusta tornando-a maior e mais imponente cidade do país. Com o fim do império romano, Braga pertenceu ainda aos suevos e depois aos Muçulmanos.

aquelesqueviajam_braga_clubedocha

Clube do chá na Mercearia: a cultura do chá em Braga

De origem chinesa, o chá foi introduzido na Europa pelos portugueses no século XVI. Conhecido como um hábito tipicamente inglês, a cultura do “chá das cinco” surgiu com uma princesa portuguesa, D. Catarina de Bragança, filha de D. João IV, que casou com o Rei Carlos III de Inglaterra em 1.662. O dote de Catarina deve ter sido um dos mais luxuosos da história: 500 mil libras de ouro, o livre comércio de Inglaterra com os domínios portuguesas na Ásia, África e nas Américas, a cidade de Bombaim e ainda uma caixa de chá.